SPFW verão 2013 – quinto e sexto dia

Gente, que correria o final de semana.

O FP esteve escolhendo os dois melhores looks (POP x ROCK) para a festa “DRAMA QUEEN”. Depois será um outro post lindo 😉

Mas enquanto isso não acontece, vamos ficar com o resumão dos últimos dias do SPFW verão 2013.

QUINTO DIA

Quem abriu o dia com um desfile super lindo foi Reinaldo Lourenço. Um desfile inspirado num passeio de barco pelo Mediterrâneo, mesclando neste universo um olhar sobre a alta-costura do anos 60 aliada a uma pegada esportiva.
Roupas luxuosas ganham vida em shapes ovais concebidos em construções arquitetônicas não muito próximas ao corpo. As roupas carregam também pespontos e ilhoses aparentes, valorizando as formas soltas dos ombros, simulando novas mangas raglans.
A estamparia estava sofisticada remetendo à madeira dos decks de lanchas e a barcos, além do uso de tecidos nobres como micro-matelassês artesanais em zibeline  e jacquards de seda.

Rodrigo Rosner que participa pela segunda vez no SPFW, desta vez, com a coleção de verão 2013, a inspiração do designer ainda vem da Hungria, entretanto num momento em que o pais se liberta do Império Austro-Húngaro.
As estampas e bordados passeiam ora delicados ora de forma extravagante por vestidos e saias em viés, com pregas ou tipo bombachas. Nos tecidos, muitas rendas, organza de seda, tule e zibeline.
Maravilhosas combinações de cristais com transparências, rendas e bordados numa única peça, que, segundo o designer, seriam  uma alusão às damas da corte que aderiram a elementos de vestuário das camponesas, em apoio ao povo revolucionário.

Sempre futurista Gloria Coelho mesclou ao tema futurista a estação holografia e sistemas quânticos.
A roupa do verão faz uma homenagem às listras por meio de recortes em construções de uma alfaiataria impecável, que “respira” com faixas de tecidos transparentes ou ainda armados e de efeitos plásticos.
As matérias-primas mostram o luxo aliado à tecnologia, com o uso do couro ao lado de crepe de acetato, organza de seda pura, zibeline e algodão, entre outros. Nos shapes, lembranças de diversas décadas. Para as cores, areia, vermelho, branco, azul, preto, cinza, laranja e fúcsia.

O verão masculino de Alexandre Herchcovitch é inspirado no Japão da Segunda Guerra Mundial. As roupas trazem lembranças da austeridade do uniforme militar e do vestuário da década de 40, ao mesmo tempo em que carregam a força da linguagem de hoje.
Nas formas, pregas, cinturas altas, pernas afuniladas, calças levemente curtas, detalhes nos ombros e um forte perfume retrô. Linda a estamparia que remete a uma releitura da camuflagem, ora recriada a partir de imagens de ondas e do mar com inserções de caveiras em tons de azul, ora com paisagens noturnas em cores roxas. Além da surpresa deliciosa do ator Cauã Reymond. Que surgiu na passarela para tirar aquele ar blasé e arrancou uns gritinhos dazamigas que estavam vendo o desfile.

O baiano Vitorino Campos estreia no SPFW com a apresentação para o Verão 2013. O moço, que conta com a marca homônima há pouco mais de três anos, já se apresentou em eventos como o Rio Moda Hype, no Rio de Janeiro, e no Dragão Fashion, em Fortaleza.
Para a estação mais quente do ano, Vitorino mostrou uma coleção enxuta, pautada na simplicidade das formas, que são pontuadas por uma sofisticação sessentista. Além do uso de materiais nobres, o estilista focou numa cartela de cores concisa em preto, branco e salmão.

Lino Villaventura fechou o quinto dia de desfiles com o tema “Vida e de todo o seu sentido, cores, formas e amores”. Isso se traduziu na passarela numa diversidade de vestidos, dos mais curtos e estruturados aos mais longos e dramáticos recobertos de cristais e recortes inesperados. A linha masculina é menos densa, porém também explora a manufatura do tecido. Muito bonitas as aplicações de cristais que criam desenhos estratégicos, além de outras que formam lagartos. Nas cores, nude, pérola, roxo, vermelho, cinza, branco e metalizados como prata, cobre, bronze e ouro.

SEXTO DIA (último dia)

A Cavalera abriu o último dia com inspiração na Bahia de todos os Santos para criar a coleção de verão 2013. Além de olhar para seu misticismo, a marca retratou os contrastes da cidade, a beleza das praias e a dureza da força urbana.
Na linha feminina, as roupas ganham referências de azulejos portugueses, flores empoeiradas e miçangas. Elas têm movimento, leveza e texturas em fios de cobre. Tudo combinado com bermudas ajustadas e em cortes a fio.
Já para eles, um mix de alfaiataria e rua em shapes mais próximos ao corpo, além de roupas com recortes e sobreposições em tecidos resinados de aspecto brilhante.

André Lima que é um dos meus preferidos e mais aguardados vem elegante e suave e tem como tema ícones recorrentes do universo criativo do designer, que se revigora a cada temporada.
A Amazônia, as penas, o casco da tartaruga, o jacarés e a mistura das etnias ganham uma leitura nada óbvia na alfaiataria de recortes sofisticados proposta para a noite.
Já os vestidos mais fluidos são um convite ao sonho, ao movimento e à liberdade, em babados mais leves, cinturas marcadas e tecidos mais fluidos.

Têca, por Helô Rocha que estreia na passarela do SPFW com uma coleção inspira no livro “A volta o mundo em 80 dias”, de Júlio Verne. Deste universo, a designer cria uma mulher jovem que busca uma imagem forte para criar o seu look.
Entre as formas de destaque estão as alfaiatarias mais estruturadas e armadas com estampas que remetem ao tema de inspiração. Para os vestidos mais soltinhos, acompanhados de acessórios de resina e couro, como a bolsa/cantil.

A coleção de Fernanda Yamamoto traduz o olhar da estilista sobre as obras dos artistas Hélio Oiticica e Luis Barragán.
A combinação entre formas geométricas e dobraduras ficam valorizadas e as roupas carregam cores como personagem principal num jogo de misturas e efeitos. Nas cores, muita vibração com amarelo, roxo, laranja, rosa, verde e vermelho.
Modelagens justas e estruturadas ou amplas e armadas. Já nas matérias primas existe uma contraposição de peso e leveza como algodões e tules  e organza de efeito plastificado e outros tecidos com texturas inesperadas.

Carolina Gold e Pitty Taliani, estilistas da Amapô, fazem uma coleção bastante irreverente, inspirada num dia de veraneio, num Fashion Cruise regado a muitas bebidinhas.
A marca apostou numa combinação divertida de copinhos, frutas e paisagens para criar estampas coloridas e vibrantes. Laranja, amarelo, rosa, azul, verde, lilás e branco compõem as cores do verão da marca.
Muitos babados com franjas em canutilhos na linha feminina. Já para eles, a ideia é de uma alfaiataria que embala, em faixas que viram saruel, túnicas e por aí vai.

Para fechar a temporada de desfiles do verão 2013 o estilista Samuel Cirnansk povoa a passarela com lindas ninfas, deusas etéreas que moram ao redor de lagos, riachos, bosques e florestas.
Estas mulheres desfilam em vestidos luxuosos, longos ou curtos, que muitas vezes revelam sua lingerie. Todos carregam bordados minuciosos de combinações de pérolas, cristais, corais e madrepérolas.
Divindades que são, elas ainda trazem para suas peças flores delicadas e bordados de heras, nos tecidos mais preciosismo: tule, musseline e palha de seda. UM SHOW!

Espero que tenham gostado do resumão geral do SPFW verão 2013.

Fonte: GNT

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *